Ação de proteína abre frente para tratamento da leucemia

Estudo desenvolvido no Hemocentro fundamenta artigo publicado no Journal of Leukocyte Biology

ju587_p10

Após três anos de pesquisa básica realizada no Hemocentro da Unicamp a partir de um novo gene descrito pelo grupo de pesquisa da médica hematologista Sara Teresinha Olalla Saad, acaba de ser publicado, noJournal of Leukocyte Biology, o artigo de capa “FMNL1 promove a proliferação e migração de células leucêmicas”.

O artigo foi escrito pela farmacêutica-bioquímica Patrícia Maria Bergamo Favaro durante parte de seu pós-doutorado na Unicamp, em 2010. A pesquisa mostra a ação da proteína FMNL1 – mesmo nome do gene – na migração e proliferação das células leucêmicas e abre a possibilidade de usá-la como novo alvo terapêutico para o tratamento da leucemia.

O estudo da FMNL1 começou durante o doutorado de Patrícia, defendido em 2006 na Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp no programa de pós-graduação em fisiopatologia médica. Esse gene foi descrito a partir do Projeto Genoma do Câncer Humano, que gerou várias sequências de genes expressos em células cancerígenas.

O FMNL1 faz parte da família das forminas, proteínas relacionadas com o controle da formação, diferenciação e sobrevivência da célula. As forminas são encontradas desde fungos, plantas até mamíferos.

“São proteínas importantes que fazem parte do citoesqueleto da célula e controlam várias funções, inclusive o desenvolvimento do câncer. No doutorado, vi que o gene FMNL1 estava mais presente nas células leucêmicas. O passo seguinte foi estudar a função da proteína codificada por esse gene na célula”, explicou Patrícia.

Nessa etapa da pesquisa foram usados dois tipos de linhagens celulares leucêmicas humanas cultivadas in vitro: as células Namalwa, associadas à leucemia linfoide crônica (LLC) e as células K562, associadas à leucemia mieloide crônica (LMC).

Os métodos de análise da migração celular usados por Patrícia na pesquisa foram feitos pela pesquisadora e bióloga da Unicamp Mariana Lazarini, durante seu estágio no laboratório da professora de biologia celular Anne Ridley, do King’s College de Londres.

Por meio de uma tecnologia complexa que utiliza um vetor lentiviral, a pesquisadora interferiu no ácido ribonucleico das células (em inglês RNA), responsável pela síntese de proteínas, provocando o “silenciamento” do gene FMNL1. Assim, o gene parou de produzir a proteína. Então, Patrícia começou a investigar o que a ausência dessa proteína provocava no funcionamento da célula.

“Quando inibi a ação da proteína das células leucêmicas, observei que houve uma diminuição significativa na proliferação do câncer. Repeti o teste em camundongos com aplicações subcutâneas e as células cresceram menos. O tumor era bem menor do que as células que tinham a proteína ativada”, disse Patrícia.

Além disso, quando o gene foi silenciado, a pesquisadora observou outro fenômeno comum nos processos de metástase: a migração das células leucêmicas para outros tecidos e órgãos. Esse fenômeno é conhecido como migração transendotelial, que é a capacidade que a célula cancerígena tem de atravessar o endotélio vascular, membrana semipermeável que regula o tráfego de moléculas, e infiltrar-se em outros tecidos e órgãos.

“Os vasos sanguíneos são feitos de células endoteliais. O processo de metástase é a célula cancerígena sair da corrente circulatória, passar a barreira da célula endotelial do vaso sanguíneo e se disseminar em outros órgãos. Observei que, na ausência de FMNL1, as células migraram menos. Acreditamos que FMNL1 regula a dinâmica de filamentos de actina que são, de maneira simplificada, os músculos da célula”, explica Patrícia, que atualmente trabalha como professora no Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Para testar a participação da proteína FMNL1 no tratamento da leucemia, Patrícia também simulou no experimento a aplicação do medicamento Imatinib usado para o tratamento de leucemia mieloide crônica. A pesquisadora observou que quando a proteína FMNL1 estava inativa, a ação do medicamento foi potencializada em 20%, aumentando a ação contra o tumor.

Segundo Patrícia, a pesquisa é um avanço muito grande para entender o funcionamento das células leucêmicas. “Ao entender o papel dessa proteína no contexto da leucemia, não vamos curar a doença, mas podemos melhorar a ação terapêutica de uma droga já bem estabelecida para o tratamento. Entretanto, ainda vão anos de estudos antes de isso ser testado em humanos”, disse.

FONTE: Jornal da UNICAMP
http://www.unicamp.br/

Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *