Especialistas do INTO curam fraturas com células-tronco

Novo tratamento também reduz o tempo de recuperação de pacientes e inova o tratamento de fraturas responsáveis por 15% de todas as cirurgias realizadas pelo Instituto.

Estudos realizados por um grupo de especialistas do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia – INTO conseguiu reduzir pela metade o tempo de recuperação de fraturas com a utilização de células-tronco. Os avanços obtidos pelos especialistas podem contribuir para reduzir o número de fraturas que não curam. Elas somam 20% de todos os casos e afetam jovens e também idosos.

Atualmente cerca de 15% das cirurgias realizadas pelo INTO são  casos de emergência por fratura. “A motivação para investigar esses casos teve base na quantidade de fraturas que tratávamos e simplesmente não cicatrizavam. Por que, afinal? Como a gente poderia resolver?”, conta o chefe da área de Trauma Adulto e Idoso do Into, o cirurgião ortopédico Leonardo Rocha.

As pesquisas resultaram em uma técnica capaz de deslocar o dobro de células-tronco normalmente produzidas pelo corpo para o foco das fraturas. “Ficamos surpresos quando descobrimos que a gente conseguia dobrar o número de células-tronco para a cicatrização dos ossos” explica o médico. A experiência rendeu ao grupo de seis especialistas o convite para apresentar o trabalho inédito no Congresso Americano de Ortopedia, na Flórida, nos Estados Unidos.

RESULTADO IMEDIATO – A equipe de pesquisadores, coordenada pelo diretor do Into, João Matheus Guimarães, e pela coordenadora das pesquisas de pós-graduação, Maria Eugênia Duarte, utilizou estímulo mecânico na medula óssea para dobrar o número de células-tronco nos locais de fratura em 13 pacientes. Para isso, os especialistas utilizaram um instrumento chamado fresa óssea, normalmente utilizado para alargar o osso quando é necessário implantar próteses.

“É preciso extrapolar as técnicas usuais de tratamento porque, muitas vezes, elas não se mostram eficazes e rápidas o suficiente para atenuar o sofrimento dos pacientes” observa o diretor, João Matheus Guimarães. Os resultados da pesquisa já beneficiam pacientes como a cabeleireira Joyce Cipriano da Silva, 18 anos, que ficou impressionada com a rapidez da recuperação: “Um mês depois de quebrar o fêmur, eu já estava sã e caminhando”.

Todos os pacientes em testes no Into regeneraram os ossos. Além disso, o tempo médio de recuperação caiu de 4 a 6 meses para até 2 meses. Agora o objetivo dos pesquisadores é de que a técnica inovadora possa ser utilizada em larga escala no Into, referência nacional no atendimento de alta complexidade ortopédica no Sistema Único de Saúde (SUS).

Só no ano passado, foram feitas 9.156 cirurgias – 21% a mais do que no ano anterior. Só as fraturas geraram 1.295 cirurgias no ano passado. O Into é hoje o único hospital brasileiro e um dos 19 do mundo que integram a International Society of Orthopaedic Centers (ISOC), entidade que congrega os melhores hospitais de ortopedia existentes.

FONTE: Ministério da Saúde
http://www.saude.gov.br

Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *