Estado do Rio ganhará mais nove unidades de saúde

O Governo do Estado vai investir cerca de R$ 900 milhões nos próximos anos na construção de nove unidades de saúde no Rio de Janeiro. As secretarias de Obras e Saúde lançam, esta semana, o edital de manifestação de interesse da iniciativa privada (MIP) para selecionar a empresa que vai modelar a Parceria Público-Privada (PPP) para construção e manutenção predial das unidades de saúde que vão ampliar e modernizar o atendimento ao público. Serão construídos quatro centros de trauma, uma maternidade, um hospital de oncologia, um centro de imagem, um centro de pesquisa, um hospital geral e um hospital de cuidados intensivos. Ao todo, serão oferecidos 1.790 novos leitos.

– A PPP permite otimizar os investimentos e possibilita um grande avanço na execução das obras, dando agilidade à construção. A complexidade e longo prazo das obras e seu alto custo inviabilizam a utilização apenas de recursos públicos – afirmou o secretário de Obras, Hudson Braga.
As unidades a serem construídas são: Centro de Trauma e Queimados – Hospital Estadual Adão Pereira Nunes; Centro de Trauma – Hospital Estadual Albert Schweitzer; Hospital Estadual de Trauma da Zona Oeste; Complexo Estadual de Saúde da Baixada – Hospital Estadual de Oncologia e Hospital Estadual de Trauma; Hospital Estadual Azevedo Lima; Hospital Estadual de Terapia Intensiva; Hospital Estadual da Mulher – Maternidade de São Gonçalo; Rio Imagem – Niterói; Centro de Pesquisa e Inovação na Saúde (anexo ao Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia- Into).            
– Estamos investindo prioritariamente em centros de trauma com tecnologia de ponta que está disponível nos grandes centros do mundo. Enviamos equipes nossas para treinar protocolos de trauma com profissionais da Universidade de Maryland, em Baltimore, nos Estados Unidos, a mesma que atende o presidente Barack Obama. Além disso, já estamos com outras obras licitadas e em construção, como os Hospitais Estaduais do Cérebro e da Visão, que ficarão no antigo prédio do Into, e devem ser inaugurados já no meio deste ano – ressaltou o secretário de Saúde, Sérgio Côrtes.
Veja abaixo os detalhes das novas unidades:
·      Centro de Trauma e Queimados do Hospital Estadual Adão Pereira Nunes: será construído em prédio anexo ao atual hospital com a proposta de ser um centro de referência e excelência no atendimento de casos de trauma de média e alta complexidade e grandes queimados. O HEAPN foi escolhido para abrigar o Centro por conta do alto número de acidentes nas Rodovias Washington Luiz e Rio-Teresópolis, região onde fica o hospital, e da proximidade com o Complexo Petroquímico, que implica em alto risco de desastres químicos.
·      Centro de Trauma do Hospital Estadual Albert Schweitzer: ficará em um prédio anexo ao atual hospital e ajudará na otimização do fluxo de atendimento ao politraumatizado no HEAS, organizando a porta de entrada desta emergência. Vai ampliar também o espaço físico da unidade possibilitando o aumento de leitos de retaguarda, já que o centro cirúrgico será transferido para a nova unidade, aumentando também o número de salas cirúrgicas. A proximidade à Av. Brasil, onde é registrado alto número de acidentes, e a proximidade de áreas de conflitos constantes com grande índice de violência urbana, colaboraram para a decisão na construção do Centro.
·        Hospital Estadual de Trauma da Zona Oeste – Novo Hospital Estadual Rocha Faria: a unidade será construída em Campo Grande, área com déficit de leitos para atendimento a casos de trauma. Terá área três vezes maior que a atual e capacidade de atendimento ampliada em 400%. Vai atender também casos de urgência e emergência clínicas, cirúrgicas e obstétricas. A região registra alto índice de acidentes no eixo da Av. Brasil. Também vai atender casos de trauma vindos da região da Costa Verde e Zona Oeste.
·         Complexo Estadual de Saúde da Baixada (Nova Iguaçu) – Hospital Estadual de Oncologia e Hospital Estadual de Trauma:
– Hospital Estadual de Trauma: também visa atender pacientes vítimas de acidentes na região da Av. Brasil e vai ajudar a organizar a porta de entrada da emergência no Hospital Geral de Nova Iguaçu (Hospital da Posse), permitindo melhor qualidade de atendimento das urgências e emergências clínicas e cirúrgicas.
– Hospital Estadual de Oncologia: Vai ampliar a assistência oncológica para pacientes adultos e pediátricos diagnosticados em outras unidades do SUS, possibilitando o tratamento precoce. A ideia é reduzir a sobrecarga do INCA e disponibilizar cuidados de alta complexidade para a região da Baixada Fluminense, carente deste tipo de atenção.
·      Hospital Estadual Azevedo Lima – terá perfil redefinido para hospital geral e de trauma, ajudando o novo Centro de Trauma do Hospital Alberto Torres a aumentar a oferta de atendimento referenciado a vítimas de trauma, urgências e emergências clínicas e cirúrgicas de média e alta complexidade. Além de ampliar a oferta, vai contribuir para a reorganização do fluxo de atendimentos de urgências e emergências clínicas, cirúrgicas e obstétricas, passando a ser referência para estes casos na região, além do atendimento ao trauma. Atenderá ainda as demandas oriundas do sistema referenciado de regulação de leitos hospitalares, além dos casos de demanda espontânea especificada.
·        Hospital Estadual de Terapia Intensiva: será criado para suprir a carência de leitos de terapia intensiva no município do Rio de Janeiro. Vai garantir a assistência especializada ao paciente crítico, proveniente de UPAs e/ou unidades hospitalares de menor porte. Será um centro de referência e excelência no atendimento de média e alta complexidade a usuários de qualquer idade por demanda referenciada, contribuindo para melhor eficiência do processo de transferência de pacientes pela Central Estadual de Regulação de Leitos. Vai atuar também como polo de apoio, treinamento e capacitação das equipes que operam nesta área específica.
·        Hospital Estadual da Mulher 3 – Maternidade de São Gonçalo: atenderá a casos de baixo risco, uma vez que há escassez de assistência materno-infantil com esse perfil na região, caracterizada por alta densidade demográfica e população muito carente. Será construído na Rodovia Niterói-Manilha e vai disponibilizar cuidados de atenção básica como a assistência de pré-natal e atendimento de maternidade de baixo risco, além de reorganizar os fluxos dos casos de alto risco para a maternidade do Hospital Estadual Azevedo Lima.
·      Rio Imagem 2: será construído no Centro de Niterói com o mesmo perfil do primeiro Rio Imagem – centro de diagnóstico de imagem que conta com recursos de alta tecnologia para a realização de exames de todos os níveis de complexidade. Dará suporte ao Programa de Saúde da Família, aos CAS e às UPAs, a SES/RJ e ajudará a desafogar a demanda do Rio Imagem 1.
·      SAUTEC – Centro de Pesquisa e Inovação na Saúde: terá como grande diferencial o investimento em pesquisas translacionais, que encurtam o caminho entre os avanços obtidos na bancada do pesquisador e o usuário dos SUS. Um exemplo dessa aplicação prática da ciência será a cooperação com a área assistencial do INTO. Uma das missões do Centro será ampliar e aprofundar as pesquisas que de fato permitam impactar as condutas terapêuticas de diversas doenças degenerativas de ordem psiquiátricas e neurológicas como Alzheimer, Mal de Parkinson, entre outras. Será um dos mais avançados centros no mundo para pesquisar essas doenças e vai investir em tecnologia de ponta em imagem com a aquisição de uma Ressonância Magnética 7 Tesla, dedicada à neuroimagem – a primeira no Hemisfério Sul. Contará com um programa de pós-graduação multidisciplinar para a capacitação de profissionais das diversas áreas em saúde.  A produção de conhecimento no esporte e atividade física pelo centro de capacitação neuromuscular e fisiologia do esporte será um grande aliado científico e tecnológico a ser utilizado pelos atletas durante a copa do mundo de 2014 e as olimpíadas de 2016. O Centro, que será construído em São Cristóvão anexo ao INTO, vai dispor ainda de um centro de capacitação com simulação, voltado ao desenvolvimento de programas de treinamento para os profissionais da área de cuidados críticos.

FONTE: Governo do Estado do Rio de Janeiro

Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *