Hospital da Mulher já acolheu mais de mil mulheres na Casa da Mãe

Espaço funciona dentro da unidade e hospeda mulheres que deram à luz, estão com seus bebês internados, mas que moram longe do hospital

Referência no atendimento às mulheres da Baixada Fluminense quando o assunto é o atendimento de alta complexidade, o Hospital Estadual da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, já acolheu mais de mil mães na Casa da Mãe, desde a inauguração, em 2010. O espaço funciona dentro da unidade e hospeda mulheres que deram à luz e estão com seus bebês internados na UTI e UI, mas que moram longe do hospital.

– Este espaço é um dos grandes diferenciais do HMulher, que recebe gestantes de todo o estado. A Casa da Mãe possibilita que elas fiquem bem próximas dos seus bebês. E a presença delas é fundamental para o tratamento deles. Muitas não teriam condições para isso, por isso essa Casa é tão importante – disse o secretário estadual de Saúde, Luiz Antonio Teixeira Jr.

No local, a mãe fica hospedada caso seu bebê precise permanecer internado. O espaço recebe mulheres que moram longe e permite que elas acompanhem o tratamento dos pequenos, garantindo, com isso, o contato e o aleitamento, que são fundamentais para a recuperação dos recém-nascidos.

O espaço possui copa, cozinha, área de serviço e 3 suítes com capacidade para hospedar 5 mães em cada, além de jardim, sala com TV, telefone e ar-condicionado. Até 15 mulheres podem ficar hospedadas no local ao mesmo tempo.

– A Casa é de extrema importância para as mães, uma vez que, encontram nela não só uma infraestrutura, mas também o acolhimento de toda a equipe multidisciplinar. Além disso, existe a troca entre as hóspedes que interagem e se apoiam o tempo todo – explica a coordenadora do Serviço Social do HMulher, Marisa de Carvalho Lima.

As mães ficam em média 30 dias na casa. Mas cada caso é avaliado pela equipe do Serviço Social do HMulher e se necessário, ela poderá ficar pelo tempo que for necessário.  As mães também têm livre acesso aos seus bebês na UTI/UI neonatal. No caso das menores de 18 anos, têm direito a uma acompanhante, que poderá permanecer hospedada também. As moradoras da Casa têm todas as refeições fornecidas pela unidade, que também disponibiliza o serviço de limpeza para higienização e conservação do espaço.

A dona de casa Elisângela Marta Freitas, de 45 anos, moradora de Queimados, está hospedada na Casa da Mãe há quase um mês. Ela deu à luz ao menino Estevão no HMulher, que nasceu com 40 semanas, mas precisou passar por uma cirurgia no intestino e está internado na UTI.

– Essa casa é uma bênção. Tudo aqui é limpo e funciona muito bem. Mas para mim o mais é importante é poder ficar perto do meu filho. Eu posso ir lá ver ele quando quiser e isso não tem preço. Eu moro muito longe e não teria condições de vir para cá todos os dias – disse Elisângela.

Mãe de outros dois filhos, ela lembra que a família em casa está ansiosa pela chegada do Estevão.

– Meu filho mais novo tem 10 anos e não acreditava que o irmão já tinha nascido. Só depois de vir aqui e conhecer o irmão, ele acreditou. A parte ruim é não poder estar em casa com meus outros filhos, mas sei que o Estevão precisa mais de mim agora, aqui perto dele – finaliza ela.

FONTE: Governo do Estado do Rio de Janeiro
http://www.saude.rj.gov.br

Esta entrada foi publicada em Blog e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *