Ministro assina pacto pela redução de acidentes

Ministério da Saúde integra esforços do governo federal para reduzir pela metade o número de mortes por acidentes no Brasil

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, participou da assinatura do Pacto Nacional pela Redução de Acidentes (Parada – Um Pacto pela Vida), nesta sexta-feira (21), juntamente com a presidenta Dilma Rousseff e o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro. A iniciativa faz parte das ações da Semana Nacional de Trânsito de 2012, que tem como tema “Não exceda a velocidade. Preserve a vida”, pretende reduzir o número de mortes nas ruas e estradas do Brasil.

O Pacto Nacional pela Redução de Acidentes prevê uma série de ações preventivas para combater a violência do trânsito. A principal medida é realizar campanhas permanentes de conscientização, que antes eram sazonais. “Nosso propósito é selar o compromisso do governo com a paz no trânsito. Não podemos deixar de valorizar uma das coisas mais importantes, a vida. Cada vez mais nos tornamos um país de classe média, com novas alternativas de transportes, o que exige maior responsabilidade”, destacou a presidenta Dilma Rousseff.

Para integrar as ações do governo federal, o Ministério da Saúde autorizou novos repasses no valor de R$ 12,8 milhões ao Projeto Vida no Trânsito, que permitirá aos estados e municípios ampliar as políticas de prevenção de mortes no trânsito por meio da qualificação das informações de óbitos, monitoramento, acompanhamento e avaliação das ações, a partir de fatores de risco, como velocidade e consumo de álcool.

“O Brasil vive uma epidemia de acidentes de carro e de moto. Em 2011, foram investidos mais de R$ 200 milhões pelo Sistema Único de Saúde somente para o primeiro atendimento de urgência a vítimas de trânsito. Esse é um recurso importante, que poderia ser economizado para investir em outras ações. Com essa verba, poderíamos construir, por exemplo, 100 novas Unidades de Pronto Atendimento 24 horas, ampliando a assistência emergencial em várias regiões do país,” afirmou Padilha.

De acordo com o ministro da Saúde, o pacto pela redução de acidentes é fundamental também para diminuir os impactos nos serviços de saúde.  “O trabalho dos profissionais da saúde e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, o SAMU, tem conseguido salvar vidas, mas o crescimento do número de acidentes ainda é bastante significativo. Por isso estamos investindo no Projeto Vida no Trânsito, para que as ações de fiscalização e de educação possam fazer com que as cidades consigam reduzir óbitos mesmo com o crescimento da frota”, concluiu.

ESFORÇOS – No ano passado, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), foram feitas 153 mil internações por causa de acidentes de transporte terrestres. Para atender de maneira mais eficiente as vítimas, o Ministério da Saúde colocou em consulta pública a Linha de Cuidado do Trauma na Rede de Atenção às Urgências e Emergências, que prevê a habilitação de centros específicos e define diretrizes clínicas para o tratamento de pacientes.

A medida visa aperfeiçoar o atendimento a vítimas de acidentes na medida em organiza os serviços e agiliza o acolhimento aos acidentados que apresentam quadros mais graves de saúde. Atualmente, existem mais de 250 unidades de referência habilitadas em alta complexidade em traumatologia e ortopedia e 12 centros de referência. Esses estabelecimentos já executam o atendimento a pessoas com traumas.

Com a criação desta linha de cuidado, o fluxo de atendimento será organizado e toda rede de serviços existentes no SUS – Unidades Básicas de Saúde (UBS), Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192), salas de estabilização, Unidades de Pronto Atendimento (UPA 24 horas), serviços de regulação, atenção especializada e atenção domiciliar, entre diversas outros, passam a funcionar de forma integrada.

O ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, afirmou que a meta do governo federal ao lançar a campanha é reduzir pela metade o número de mortes por  acidentes de trânsito no Brasil, até 2020. Em 2010, 42.844 pessoas morreram nas estradas e ruas do país. Entre as internações provocadas pelo trânsito, as maiores vítimas foram motociclistas, seguidos pelos pedestres.

FONTE: Ministério da Saúde

Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *