Prefeitura amplia postos que oferecem antirrábica

Número de unidades que dispõem da vacina para humanos passou de 14 para 36

A Prefeitura do Rio ampliou o número de unidades que fazem a profilaxia da raiva humana. Antes, apenas 14 faziam a aplicação da vacina antirrábica em humanos. Agora, são 36 clínicas da família ou centros municipais de saúde com disponibilidade do insumo. Para os casos mais graves, com indicação, além da vacina, também do soro antirrábico, são três hospitais de referência, um na região central da cidade, um na Zona Oeste e um na região da Barra da Tijuca.

O município do Rio de Janeiro tem uma organização para o Programa de Profilaxia da Raiva Humana. Todas as unidades de Atenção Primária (clínicas da família ou centros municipais de saúde) contam com profissionais aptos a prestar os primeiros cuidados, avaliar e indicar a conduta pertinente para cada caso específico. A avaliação do caso para indicação da conduta deve ser realizada por profissional de saúde devidamente capacitado.

Nos casos em que haja indicação da vacina antirrábica, o paciente é orientado a procurar, nos primeiros três dias após a agressão, uma das 36 unidades que dispõem da vacina, que podem ser consultadas no site da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), no link https://goo.gl/zC4Inu. Já para os casos com indicação também do soro, as referências são os hospitais municipais Souza Aguiar (Praça da República, 111, Centro), Pedro II (Rua do Prado, 325, Santa Cruz) e Lourenço Jorge (Avenida Ayrton Senna, 2000, Barra). A administração do soro pode ser feita até sete dias da primeira dose da vacina.

É importante lembrar que todos os mamíferos (cães, gatos, micos, etc) são suscetíveis ao vírus da raiva e, portanto, podem transmiti-la. A transmissão para o homem se dá pela inoculação do vírus da raiva, contido na saliva do animal infectado, principalmente através da mordedura. Em caso de acidentes com animais, as orientações são:

• Lavar imediatamente o ferimento com água corrente, sabão ou outro detergente.

• Procurar uma unidade de pronto atendimento ou de Atenção Primária, para avaliação e indicação dos procedimentos necessários.

• Se houver indicação clínica atestada pelo profissional de saúde, o paciente deve ser orientado a procurar uma das 36 unidades de profilaxia da raiva humana, para administração da vacina antirrábica segundo esquema indicado para o caso.

• O soro antirrábico só pode ser aplicado em unidade hospitalar e com a apresentação da prescrição feita pela unidade que acolheu o paciente.

• O uso de antibióticos deve ser feito nos casos em que haja indicação, após avaliação médica.

• Caso surjam, nos dias seguintes o acidente e aos primeiros cuidados, sinais de infecção, é indicado procurar o serviço de saúde para nova avaliação pelo médico.

FONTE: Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro
http://www.rio.rj.gov.br/web/smsdc

Esta entrada foi publicada em Blog e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *