Prefeitura inaugura Fábrica de Clínicas da Família

Espaço será responsável pela logística para a construção de 28 unidades

unnamed (1)A Prefeitura do Rio inaugurou nesta terça-feira (28/04) a Fábrica de Clínicas da Família, na Barra da Tijuca. Localizado na Avenida Ayrton Senna, ao lado do Via Parque, o espaço servirá de apoio e logística para a construção de novas 28 unidades na Zona Oeste. A fábrica segue os moldes do programa Fábrica de Escolas do Amanhã Governador Leonel Brizola – que construirá 136 escolas até o final de 2016 –, utilizando um sistema construtivo mais ágil, com elementos metálicos montados através do encaixe de colunas e paredes.

A Fábrica de Clínicas da Família ocupará um terreno de 2.665 metros quadrados com um galpão de 220 metros. O local também contará com uma área de exposição aberta ao público, onde será contada a história da criação e evolução das Clínicas da Família na cidade. Com investimento de R$128 milhões, serão beneficiadas com as novas clínicas as seguintes localidades: Praça Seca (3), Rio das Pedras, Itanhangá, Cidade de Deus (2), Curicica (2), Taquara, Recreio, Colônia, Anil, Camorim, Jacarepaguá, Senador Camará, Realengo, Mallet Realengo, Bangu, Cosmos, Campo Grande (7) e Santíssimo.

A meta da prefeitura é colocar em funcionamento 140 unidades até o final de 2016, alcançando 70% da população com o Saúde da Família. Atualmente, o Rio conta com 74 clínicas distribuídas pelas zonas Norte, Oeste, Sul e Centro, uma cobertura de 47,9% da cidade (três milhões de pessoas) no programa Saúde da Família.

“Desde o primeiro mandato, estamos investindo em atenção básica de saúde. Nosso objetivo é salvar vidas e evitar que as pessoas fiquem doentes, e com todas as clínicas prontas, teremos as zonas Norte e Oeste totalmente atendidas. As clínicas da família oferecem um conjunto de serviços que têm mudado a vida da população. Quando vemos a diminuição da mortalidade infantil de 13% para 11%, isso significa que menos 200 crianças morrem por ano na cidade. Muitas pessoas deixaram de sofrer os efeitos mais violentos da diabetes porque passaram a receber um tratamento preventivo da doença. Ou seja, é um projeto que transforma a vida das pessoas”, disse o prefeito Eduardo Paes.

Para a construção das 66 novas clínicas, a prefeitura está utilizando, além de recursos do tesouro municipal, a verba de R$130 milhões doada pela Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, através de lei sancionada em julho de 2014. A lei autorizou o Legislativo a destinar o valor, proveniente de economia orçamentária, ao Poder Executivo municipal para que fosse utilizado na construção de Clínicas da Família. Nove destas unidades já estão com obras em andamento e entrega prevista até o segundo semestre deste ano, em Irajá (2), Bangu, Padre Miguel, Senador Camará, Vila Kennedy, Cosmos, Senador Vasconcelos e Santa Cruz.

“Gostaria de agradecer aos vereadores que ajudaram a Secretaria de Saúde e a Prefeitura nessa conquista. As clínicas da família representam uma maneira de organizar o sistema de saúde. O grande objetivo dessas unidades é que a população possa viver mais e melhor. O principal diferencial das Clínicas da Família é que sempre a mesma equipe atende o mesmo paciente, então aquela equipe de agentes comunitários, enfermeiros, técnicos de enfermagem, médicos e dentistas conhece aquele paciente que ela atende e o paciente conhece a equipe que o atende”, disse o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.

Desde 2009, o Saúde da Família passou a considerar a territorialidade e as necessidades de cada bairro e região, corrigindo distorções como a até então inexistente cobertura em grande parte da Zona Oeste e em comunidades carentes. Atualmente, a rede municipal conta com mais de 8,6 mil profissionais de saúde na Atenção Primária, divididos entre cerca de 890 equipes de Saúde da Família. No final de 2008, apenas 3,5% dos cariocas tinham cobertura do programa, sendo atendidos por 63 equipes de Saúde da Família – apenas 1,5 mil profissionais de saúde. Este é o maior crescimento entre todas as capitais do Brasil.

O avanço nos números significou uma mudança considerável nos indicadores de saúde da população carioca. De 2008 a 2014, o percentual de internações devido a doenças tratáveis na Atenção Primária, como complicações por asma, desidratação e pneumonia, caiu de 32% para 20%. Já o número de procedimentos ambulatoriais aumentou de 12 milhões para quase 40 milhões em seis anos, e os de saúde bucal saltaram de 1,9 milhão para 3,2 milhões. O Programa Academia Carioca, presente em 178 unidades de saúde – 86 delas com aparelhos –, beneficia cerca de 70 mil pessoas. Mais de 90% dos participantes já perderam peso, e 87% daqueles que são usuários de medicamento diminuíram a dosagem após passarem a praticar atividades físicas regularmente.

As Clínicas da Família contam com equipes multidisciplinares de médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, dentistas, agentes comunitários e de vigilância em saúde, técnicos de saúde bucal, e outros. Além de consultas médicas e ações de promoção da saúde, as unidades oferecem exames laboratoriais, ultrassonografia, eletrocardiograma e raios-x.

FONTE: Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro
http://www.rio.rj.gov.br/web/smsdc

Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *