Prefeituras do RJ já economizaram R$ 42 milhões em exames de diagnóstico por imagem

Desde a criação do Serviço Móvel de Imagem pelo Governo do Estado, todos os 92 municípios foram atendidos com oferta gratuita de tomografia, ressonância, mamografia e ultrassonografia. Foram mais de 145 mil exames, beneficiando 113 mil pacientes

exameInaugurado em 2009, o Serviço Móvel de Imagem da Secretaria de Estado de Saúde já rendeu economia de mais de R$ 42,4 milhões aos cofres dos municípios de todo o estado do Rio; que puderam investir esses recursos na ampliação da oferta de saúde para a população local. Com os dois Tomógrafos Móveis, a Ressonância Magnética Móvel e o Mamógrafo Móvel percorrendo todas as regiões do Rio de Janeiro nestes cinco anos, as prefeituras deixaram de ter que pagar pelos exames na rede conveniada para atender à demanda da população local. Exames de diagnóstico fazem parte das atribuições dos municípios dentro do Sistema Único de Saúde (SUS) e são fundamentais para detectar doenças no estágio inicial e assim garantir sucesso no tratamento.

– Esses exames custam muito caro. Com o dinheiro dessa economia, os municípios puderam realocar esses recursos e dar atenção para outras áreas da saúde, como outros exames e hospitais, por exemplo – avalia o coordenador de Unidades Móveis de Imagem da SES, Jorge Ataualpa.

Os serviços itinerantes foram criados pela Secretaria de Estado de Saúde para atender aos moradores de cidades em que não há esses tipo de exame na rede pública ou onde o serviço existente não é capaz de suprir a demanda. No total, são quatro carretas itinerantes, que contam com 2 tomógrafos computadorizados, 1 ressonância magnética e 1 mamógrafo móvel com 2 equipamentos de mamografia e 1 de ultrassonografia.  Juntas, as unidades já beneficiaram mais de 113.995 mil pacientes das 92 cidades do estado, realizando 145.899 mil exames.

O Tomógrafo Móvel foi criado em 2009, sendo o primeiro serviço de diagnóstico por imagem do país a percorrer municípios. Em março de 2011, a SES passou a contar com a segunda unidade itinerante. Os dois equipamentos já atenderam 75.357 mil pacientes e realizaram 101.442 mil exames.

Já o serviço móvel de ressonância foi inaugurado em agosto de 2010 e atendeu, desde então, 27.031 mil pessoas, realizando 32.167 mil exames.  Com atendimento exclusivo à saúde da mulher, o Mamógrafo Móvel, em funcionamento desde janeiro de 2014, já beneficiou mais de 11.607 mil pacientes e fez 12.290 mil exames (entre mamografias e ultrassonografias). O equipamento foi instalado em carreta especial composta por 2 mamógrafos, 1 aparelho de ultrassonografia e sistema informatizado que permite a avaliação e a liberação do laudo na unidade.

Calendário – A Ressonância Magnética móvel está desde o dia 08 em Vassouras, onde ficará até 09 de outubro. Já o Mamógrafo Móvel deve permanecer em Nilópolis até amanhã, quando seguirá para outro município. O Tomógrafo Móvel iniciou atendimento a pacientes de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, em 30 de agosto, quando precisou ser deslocado emergencialmente para atender solicitação da Prefeitura local, após a paralisação do único equipamento do hospital municipal. O mesmo já havia ocorrido em maio.

Agendamentos – O agendamento dos exames é feito pelas Secretarias Municipais de Saúde. Elas recebem o pedido médico do paciente, encaminham a planilha com as demandas para o serviço do Governo do Estado e informam os pacientes sobre a data, hora e local do procedimento. O paciente que possui aparelho de celular recebe essas informações via torpedo telefônico até 48 horas antes do dia marcado. Após um período de 10 a 15 dias úteis, os laudos são entregues ao município de origem dos pacientes.

Outras informações – Instalado em carreta especial, fabricada e montada por uma empresa norte-americana, o tomógrafo móvel é capaz de realizar um exame de corpo inteiro em 30 segundos, enquanto os aparelhos convencionais levam entre 20 e 40 minutos. Já a carreta do Mamógrafo Móvel disponibiliza exames digitais de mamografia e ultrassonografia a pacientes do Sistema Único de Saúde e também realiza biópsias mamárias caso o médico detecte alguma alteração no procedimento, evitando perda de tempo entre o diagnóstico e o tratamento. A iniciativa visa, principalmente, o diagnóstico precoce do câncer de mama, tipo mais comum entre mulheres no Brasil, onde são registradas cerca de 13 mil mortes por ano.

FONTE: Governo do Estado do Rio de Janeiro
http://www.saude.rj.gov.br

Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *