Quase 30% da população mundial está acima do peso

Atento à evolução da doença, o Governo do Estado do Rio de Janeiro implantou, em dezembro de 2010, o Programa Estadual de Obesidade que deve chegar, na próxima semana à marca inédita de 800 cirurgias realizadas. 100% por videolaparoscopia; 100% gratuitas pelo SUS. Esta é a maior produtividade do país

b_800_600_0_00_images_stories_ASCOM_hospCarloChagas-Bariatrica600_hosp_carlos_chagas_-_600_cirurgia_bariatrica_2Pesquisa publicada nesta quinta-feira (29) em revista científica conceituada aponta que há 2,1 bilhões de pessoas obesas ou com sobrepeso em todo o mundo, o que representa 30% da população mundial. Esse número é quase 2 vezes e meia a mais do que em 1980, quando registraram 857 milhões de pessoas acima do peso. As informações são da pesquisa Global Burden of Disease, considerada a análise mais abrangente feita sobre o assunto feita pelo Instituto de Métrica e Avaliação em Saúde da Universidade de Washington, nos Estados Unidos. Mais da metade dos obesos e com sobrepeso vive em apenas dez países: Estados Unidos, China, Índia, Rússia, Brasil, México, Egito, Alemanha, Paquistão e Indonésia.

A quinta colocação do Brasil neste estudo não é novidade. Em 2013, pesquisa do Ministério da Saúde já tinha apontado que 51% da população brasileira estava acima do peso. Em 2006, percentual era de 43%. Homens são maioria, 54%. Nas mulheres, o índice chega a 48%.

Atenta a esse comportamento da população e evolução da doença, o Governo do Estado do Rio de Janeiro implantou em dezembro de 2010 o Programa Estadual de Obesidade. Ele funciona no Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, sob a coordenação do médico Cid Pitombo, mestre e doutor em cirurgia e membro do Comitê de Educação Continuada da Sociedade Americana de Cirurgia Bariátrica e Metabólica e também membro titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Videoendoscópica.

Até hoje, mais de duas mil pessoas foram atendidas pela equipe multidisciplinar do programa estadual do Rio de Janeiro e, na próxima semana, deve chegar à inédita marca de 800 cirurgias bariátricas realizadas; 100% através de videolaparoscopia, procedimento menos invasivo e com melhor recuperação. Na rede privada, uma cirurgia como essa varia de R$ 80 mil a R$ 100 mil. O Programa de Obesidade do Estado do Rio de Janeiro é o de maior produtividade do país.

Leia mais:

Rio de Janeiro é pioneiro no tratamento de adolescentes obesos
Artigo: ‘Obesidade: quando operar?’

Como ter acesso à bariátrica pelo SUS – Para se candidatar a uma cirurgia bariátrica no Programa do Estado, o paciente deve procurar um atendimento ambulatorial mais próximo de sua casa para que um médico faça uma primeira avaliação se a cirurgia é necessária ou não. Se a operação for indicada, o médico solicita uma segunda avaliação para a Central de Regulação de Cirurgia Bariátrica do Estado, que encaminha o pedido de forma online ao Hospital Estadual Carlos Chagas. O paciente é contatado e tem uma consulta de avaliação marcada.

O paciente que tiver Índice de Massa Corpórea dentro do indicado (maior que 40kg/m² ou maior que 35kg/m² quando associado a fatores de co-morbidade, como hipertensão e diabetes, entre outros), que preencham os pré-requisitos do Ministério da Saúde e não tiverem doenças graves associadas são avaliados, preparados e operados. A equipe do médico Cid Pitombo também acompanha todo o pós-operatório especializado, com orientações de nutricionista, psicólogo e avaliação periódica pelo cirurgião.

Mulheres são a maioria – As mulheres entre 30 a 35 anos são as que mais realizam a cirurgia no Hospital Estadual Carlos Chagas, representando universo de 75%. Elas se sentem mais incomodadas com o sobrepeso, tanto do ponto de vista social quanto da saúde.

Implantado em dezembro de 2010, o programa do Governo do Estado fez mudar um cenário no Rio de Janeiro. Em 2010, por exemplo, antes da entrada do Estado no serviço, foram feitos em todo Rio de Janeiro apenas 16 cirurgias bariátricas. O crescimento entre 2010 e 2011 é de mais de 2.400%, atendendo pacientes do SUS, moradores de 30 municípios do estado.

FONTE: Governo do Estado do Rio de Janeiro
http://www.saude.rj.gov.br

Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *