Sorriso Especial: projeto de higiene bucal em internados em UTI é ampliado na rede estadual de saúde

Em menos de um mês, o programa já atendeu mais de 100 pacientes do Instituto Estadual do Cérebro. No Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, atendimento começará no próximo dia 15

 O Hospital Estadual Rocha Faria, em Campo Grande, conta desde 2000 com um projeto chamado Sorriso Especial, que oferece atendimento odontológico para pacientes com necessidades especiais, como síndromes, paralisia cerebral, problemas cardíacos e sensoriais, diabetes, autismo e grávidas. Mais de 9 mil pessoas já foram beneficiadas apenas no hospital da Zona Oeste. A boa notícia é que o “Sorriso Especial” está sendo ampliado nas unidades da rede estadual de saúde. Já funciona há um mês no Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer (IECPN) e, a partir de 15 de julho, estará disponível também para os pacientes do Hospital Estadual Adão Pereira Nunes (HEAPN), em Duque de Caxias.

Cláudio Jorge Fernandes, cirurgião-dentista responsável pelo projeto, esclarece que o paciente internado em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) apresenta diversos problemas bucais que contribuem para complicações na sua evolução clínica, agravada muitas vezes por uma higiene bucal deficiente.

– Cada caso é avaliado como único, e a partir dessa avaliação é proposto um plano de tratamento individualizado. O objetivo é, acima de tudo, proporcionar bem-estar ao paciente, bem como contribuir para redução do tempo de internação – explica Cláudio Fernandes.

A grande aposta do Sorriso Especial é a odontologia preventiva, pois é uma forma de evitar a infecção hospitalar. O especialista Cláudio Fernandes ressalta que a equipe de cirurgiões-dentistas examina diariamente a cavidade bucal dos pacientes no leito de UTI, incluindo os mais complexos – os que estão em coma, por exemplo -, para saber se há lesões, além de fazer a higienização bucal.

– A prevenção pode evitar e combater processos infecciosos graves como, por exemplo, a pneumonia – afirma.

Instituto Estadual do Cérebro – O Sorriso Especial já contabiliza mais de 100 atendimentos no IECPN, o que deixa os pacientes e, principalmente, seus acompanhantes muito satisfeitos. Marilena Mesquita, 66, é mãe de Leonardo Mesquita, 33, que está em coma vigil há 10 meses num dos leitos de UTI do Instituto Estadual do Cérebro. Ele descobriu um tumor cerebral após uma queda, com corte profundo na testa.

– Foi uma fatalidade, mas eu e minha família estamos muito contentes com o tratamento que o Leonardo está recebendo aqui. Ele está sendo muito bem cuidado em todos os aspectos. E com a chegada da equipe do Sorriso Especial, melhorou ainda mais – comemora.

Marilena conta que chegou a identificar a língua do Leonardo um pouco esbranquiçada, o que a deixou preocupada, pois sabia do risco de infecção.

– Os técnicos não estavam conseguindo fazer a limpeza adequada, porque ele não deixava, ele trancava a boca. Até eu já tinha tentado. Sei do risco de infecção, então conversei com a minha família e estávamos dispostos a contratar um dentista especializado à parte. Chegamos a fazer contato com um profissional, que cobrou um valor que não podíamos pagar. Parece milagre, mas no dia seguinte recebemos a notícia de que o Sorriso Especial estava chegando à unidade. Eu fiquei muito feliz e aliviada. Agora sei que meu filho não corre risco nenhum de ter uma infecção por conta de uma higiene bucal deficiente. Não tenho como agradecer o carinho, cuidado e atenção que estão dando a nós e ao meu filho – diz.

A equipe do Sorriso Especial também promoverá cursos de higiene bucal com o objetivo de treinar e orientar os técnicos de enfermagem das unidades, ensinando como o processo de prevenção e higienização pode ser feito em pacientes da terapia intensiva e também os conscientizando de como a higiene bucal é importante e como ela interfere na vida do paciente.

Gestão – Desde abril de 2012, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) vem reorientando o modelo de gestão e atenção à saúde no Estado do Rio de Janeiro no intuito de melhorar a prestação dos serviços e a satisfação do usuário. A implementação dessa nova forma de administração tem como objetivos melhorar a gestão e garantir um atendimento de qualidade à população. O Hospital Estadual Adão Pereira Nunes e o Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer são gerenciados pela Organização Social de Saúde Pró-Saúde – Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar desde agosto e julho de 2013, respectivamente, fornecendo todos os recursos humanos e materiais necessários ao adequado funcionamento do hospital, dentro dos parâmetros e diretrizes estabelecidos pela Secretaria.

FONTE: Governo do Estado do Rio de Janeiro
http://www.saude.rj.gov.br

Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *