Hospital Estadual Eduardo Rabello oferece aulas de kickboxing para pacientes idosos

Cuidados com corpo e mente devem acontecer em todas as idades e unidade de saúde do Governo do Estado fez parceira com a ONG Lutando Por Vidas, do ex-campeão Jorge Turco, para colocar a melhor idade para mexer com as estruturas.

unnamedEm vez de “Bom dia”, “Oss”. Distribuição de “Socos”, “Jebs direito”, “Jebs cruzado”, “Chutes frontais”; mas… Calma lá! Tudo na maior paz. Essas expressões, particulares do universo de quem pratica lutas, agora fazem parte da rotina dos pacientes que frequentam o Centro Dia do Hospital Estadual Eduardo Rabello, em Campo Grande, a maior parte deles já na chamada melhor idade. É que os senhores e senhoras estão recebendo aulas de  Kickboxing desde o início de junho. Uma parceria do hospital com a ONG Lutando Por Vidas, presidida pelo ex-lutador Jorge Turco. É a primeira vez que Jorge, campeão brasileiro de Kickboxing em 1998, trabalha com idosos. E as diferenças na vida e na saúde deles já são visíveis.

 – Tenho certeza de que teremos um resultado bastante produtivo. Na verdade, já estamos tendo. A luta aproxima os avós dos seus netos, que estão fascinados com o MMA e os ídolos atuais, como Anderson Silva. Certamente veremos algumas aulas com pequenos acompanhantes e a nossa pretensão é que os alunos façam exames de faixa antes do final do ano – disse Turco.

Lutando a vida toda – Dos 30  alunos que fazem as aulas duas vezes na semana, uma das mais animadas e aplicadas é a aposentada Marlene Izabel da Costa Branco. Com 70 anos de muita energia, ela aprende com afinco os novos golpes. Mas a luta não é algo novo para Marlene, trata-se de uma paixão antiga. A aposentada, de semblante pacato e doce, na verdade já havia praticado judô e é fascinada por filmes de luta. E aí, a oportunidade dada pelo hospital caiu como uma luva.

 – Passei a minha vida inteira fazendo exercícios e mesmo envelhecendo não seria diferente. Não podia imaginar que o Centro Dia teria aulas de luta, estou feliz porque faço as atividades que mais gosto aqui. Estou adorando. – comemora a aposentada.

Diferente de Marlene, a aposentada Iara Rocha Corado, de 85 anos, está conhecendo as artes marciais. Depois de desfilar como modelo, dançar e fazer ginásticas, Iara vê nas aulas de Kickboxing mais um meio de tornar a vida mais leve.

 – Eu moro em Realengo, mas sempre pego o ônibus para vir para cá. O Centro Dia me oferece inúmeras atividades, mas nunca imaginei que fosse fazer aula de Kickboxing. Uma boa surpresa porque gostei muito da aula. Vou continuar fazendo.  – disse.

Mais exercícios – Além das aulas de luta, os usuários do Centro Dia também ganharam um reforço especial para manter a forma. No final de maio, a unidade ganhou uma Academia da Terceira Idade (ATI). Trata-se da primeira unidade na rede estadual de saúde, fruto da parceria entre a Secretaria de Estado de Saúde e a Secretaria de Estado de Envelhecimento Saudável e Qualidade de vida. A academia contará com uma equipe multidisciplinar formada por professores de educação física, enfermeiros e nutricionistas. Esses profissionais vão monitorar os exercícios e seus efeitos nos idosos. A ideia é atender aos 240 idosos que frequentam o Centro Dia.

 – Os equipamentos são adaptados aos idosos para que eles façam movimentos leves, prevenindo lesões nas articulações. A abertura desta academia significa que estamos investindo cada vez mais na qualidade de vida de nossos pacientes – complementa o diretor do Hospital, Edson Mendes Nunes.

Com 83 anos, a aposentada Maria José do Espírito Santo confessa ser totalmente sedentária, mas garante que essa realidade vai mudar com a chegada dos aparelhos de exercício. Maria, que também faz parte do Coral do Centro Dia conta que além de exercitar as cordas vocais, agora vai exercitar o corpo.

 – Aqui encontro tudo o que eu gosto. Tenho certeza de que vou ficar mais disposta fazendo academia. – afirma.

Hospital Estadual Eduardo Rabello – O Hospital Estadual Eduardo Rabello foi inaugurado em 1973 como o primeiro hospital planejado e construído para atendimento geriátrico especializado na América do Sul. Foi pioneira na implantação de padrões e conceitos completamente diferentes de internação de pacientes idosos, com atendimento especializado e focado nos aspectos médicos, sociais, fisioterapêuticos e psicológicos.

Referência no tratamento de idosos na rede estadual de saúde, realiza, em média, 150 internações mensais. O Centro Dia já existe há 14 anos e, ao todo, são 240 inscritos que participam de atividades de integração e inclusão social, como aulas de dança, canto, crochê, ginástica, cinema com pipoca, palestras educativas, passeios, caminhadas, piqueniques, alongamento, coral e banda.

FONTE: Governo do Estado do Rio de Janeiro
http://www.saude.rj.gov.br

Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *