A luta contra a Tuberculose e AIDS entra no ritmo do funk

Segundo a OMS, para considerar a tuberculose uma doença sob controle, a taxa de incidência não deve ultrapassar cinco casos em cada 100 mil habitantes. O estado do RJ possui taxa de 72 casos para cada 100 mil. Doença é uma das principais causas de morte entre pessoas que vivem com HIV/AIDS.

A Secretaria de Estado de Saúde, em parceria com a equipe de funk carioca Furacão 2000, promove ação de conscientização sobre Tuberculose e AIDS em diversas comunidades do Rio de Janeiro. Neste domingo (18), com o já conhecido paredão de caixas de som, a equipe comandada por Rômulo Costa irá se apresentar na Praça da Matriz, em Santa Cruz da Serra, Duque de Caxias, entre 18h e 21h.

Quem acha que a tuberculose é uma doença antiga, ultrapassada, está enganado. A tuberculose ainda mata, todos os anos, cerca de 800 pessoas só no estado do Rio de janeiro. A AIDS, apesar ter tratamento, não tem cura, e atinge a cada ano mais e mais jovens em todo o país. Cerca de 40% das mortes causadas pela doença poderiam ser evitadas se o diagnóstico fosse mais precoce.

– A tuberculose é a principal infecção em pacientes com Aids, por isso o diagnóstico precoce é importante para realizar o tratamento preventivo o quanto antes. Todo paciente com tuberculose deve fazer o teste da Aids e vice-versa – explica o superintendente de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe.

Portadores do vírus HIV têm 35 vezes mais chances de ter tuberculose. O bacilo de Koch, que causa a doença, se aproveita que o sistema responsável pela defesa do organismo esta afetado pela Aids e se manifesta. Entre os pacientes soropositivos, a prevalência de tuberculose é de 15%. A doença respiratória já é a principal causa de 20% das mortes em pacientes portadores de HIV em todo o país, segundo o Ministério da Saúde. Ainda de acordo com dados do Ministério da Saúde, estima-se que o Brasil tenha atualmente mais de 655 mil pessoas vivendo com HIV/AIDS.

Números – Segundo a Organização Mundial de Saúde, para considerar a tuberculose uma doença sob controle, a taxa de incidência não deve ultrapassar cinco casos em cada 100 mil habitantes — atualmente, em todo o estado, a taxa é de 72 para cada 100 mil habitantes. De acordo com o Ministério da Saúde, atualmente, o país ocupa a 16º país com maior incidência de tuberculose entre os 22 de alta carga e a 111 º posição em taxa de incidência.

O Rio de Janeiro possui a maior taxa de incidência de tuberculose no país. Em 2012, foram notificados 14.505 casos de tuberculose e 739 óbitos. No mesmo período, foram diagnosticados 2.440 casos de AIDS, o que representa uma taxa de 15 por 100 mil habitantes. Entre 2003 e 2012, foram notificados 32.729 casos de AIDS em todo o estado do Rio de Janeiro.

Plano de Ação contra Tuberculose e Aids –  Em maio de 2013, a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro pactuou com as Secretarias Municipais de Saúde um plano de ação contra as doenças a fim de capacitar profissionais de saúde, aumentar o diagnóstico precoce e melhorar índices de cura, no caso da tuberculose, e de pacientes bem adaptados ao tratamento, no caso dos portadores de HIV. Entre as ações municipais estão o prazo de 15 dias para resultado dos exames de HIV e consultas em até sete dias para pacientes com resultado positivo da doença.

FONTE: Governo do Estado do Rio de Janeiro
http://www.saude.rj.gov.br

Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *