Ministro apresenta na OPAS os avanços na gestão da saúde pública brasileira

Durante a 28ª Conferência Sanitária Pan-Americana de Saúde, também serão apresentados os avanços do Brasil para a redução mortalidade infantil

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha apresenta, nesta quarta-feira (19), na sede daOrganização Pan-Americana de Saúde (OPAS), em Washington (EUA), durante a 28ª Conferência Sanitária Pan-Americana e da 64ª Sessão do Comitê Regional, os detalhes do relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), que comprovou que o Brasil está no caminho certo quanto às políticas públicas voltadas para a redução da mortalidade infantil.

O documento da ONU destaca que o Brasil já alcançou os índices de redução definidos pelas metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODB), em relação à mortalidade de crianças com menos de cinco anos de idade. Em 2011, o órgão internacional mostra que o índice brasileiro reduziu para 16/1.000. O acordo internacional previa a redução em 2/3 da mortalidade desse público entre 1990 e 2015. O Brasil apresentou redução de 73% das mortes na infância desde 1990.

/Atingir a meta estabelecida pela ONU antes do prazo é uma grande vitória brasileira. Esta redução faz parte da expansão da Atenção Básica no país, por meio da Estratégia Saúde da Família (ESF), e de ações preconizadas para a melhoria da atenção integral a saúde das crianças. Mas nós queremos avançar ainda mais. Para isso, temos a Rede Cegonha que vai reforçar a qualidade no pré-natal e também a qualidade na assistência ao parto/, enfatiza o ministro Padilha.

O ministro adiantou que já foram investidos (desde o ano passado) cerca de R$ 3,3 bilhões na Rede Cegonha, que conta com a adesão de 4.759 municípios brasileiros. Esta estratégia, que reúne medidas que garantem assistência integral às grávidas e ao bebê, criou 348 leitos neonatais e requalificou mais 86 em 2011. A previsão é habilitar 350 novos leitos neonatais, ainda este ano. Atualmente, o Brasil conta com 3.973 de UTI Neonatal e 2.249 leitos de UTI Pediátrico. Estima-se que 91,5% do total de gestantes usuárias do SUS serão atendidas pelo programa.

CONFERÊNCIA – Ainda durante a Conferência, o ministro Padilha e representantes do Ministério da Saúde brasileiro vão abordar a elaboração da estratégia para prevenção e o controle das doenças não transmissíveis. Como o Brasil já possui um plano de enfrentamento das doenças não transmissíveis deverá mostrar, por meio de fóruns, a sua expertise no tema e levar a sua experiência para o plano das Américas.

Na agenda consta ainda a discussão de estratégias para a prevenção e o controle das doenças não transmissíveis; plano de ação para a saúde integral na infância; avaliação e incorporação de tecnologias em Saúde nos Sistemas de Saúde; gestão de conhecimento e comunicações; coordenação de assistência humanitária internacional em saúde em caso de desastres; bioética; plano de ação para manter a eliminação de sarampo, rubéola e síndrome de rubéola congênita na região das Américas.

Durante a Conferência, haverá ainda debate sobre o relatório do Grupo de Experts – grupo de especialistas – sobre mecanismos inovadores para pesquisa e desenvolvimento em saúde. O que for acordado nesta reunião irá subsidiar a reunião global prevista para novembro deste ano, em Genebra.

EXEMPLO – E, na sede do Conselho das Américas, em Washington (EUA), o ministro Padilha fará a exposição sobre o funcionamento do Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro para empresários e autoridades americanas. O convite para a exposição foi feito pelo Conselho das Américas (Council of the Americas), que demonstrou interesse em conhecer o sistema público brasileiro e o desenvolvimento de parcerias público-privadas no campo da saúde. A ideia é fortalecer o complexo industrial e efetuar transferência de tecnologia entre os dois países.

O interesse surgiu a partir das mudanças constantes que aconteceram no Brasil, com foco na redução da pobreza da administração da presidente Dilma Rousseff, que convergiram no setor saúde, ampliando os desafios existentes e criando novas oportunidades. Assim, o ministro Padilha vai compartilhar com o Conselho das Américas os esforços, a curto e médio prazo, para alcançar as metas e objetivos propostos pelo governo.

FONTE: Ministério da Saúde
Esta entrada foi publicada em Blog. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *